Música na Igreja

2abr

Música na Missa

Ritos Iniciais

Canto de Entrada: é o “cartão de visita”. Deve ser feito um grande esforço para que ele tenha algo a ver com o tema daquela Missa. Se isso não for conseguido, deve ser um canto alegre, de louvor e que anime o povo a ir atrás de Jesus.

Santíssima Trindade: prepara o coração para o início da Missa e invoca a Trindade Santa, um único Deus em Três pessoas distintas.

Ato Penitencial: Deve ser um canto de arrependimento pelos pecados e pedido de piedade, de acordo com o texto do Missal Romano. O grande perigo desse canto reside em só cantarmos e não nos penitenciarmos. É necessário pedir que todo o orgulho caia por terra naquele momento e que o canto saia do mais profundo do nosso ser, purificando-nos totalmente.

Hino de Louvor (Glória): depois de sermos perdoados, devemos explodir de alegria no canto do glória. Não podemos cantá-lo no Advento e na Quaresma porque são tempos de penitência, mas no restante dos domingos do ano devemos cantar. Para estar de acordo com a liturgia esse canto precisa ser um louvor à Trindade Santa, de acordo com o texto do Missal Romano.

Rito da Palavra

Salmo Responsorial: não é qualquer Salmo. A oração não deve ser mudada porque ela é uma resposta à primeira leitura. Se não der para cantar o Salmo é melhor lê-lo, de acordo com o Lecionário.

Aclamação ao Evangelho: este não pode deixar de ser cantado. Devemos anunciar a Boa Nova que será proclamada e festejada. É como se Jesus entrasse em nosso coração como entrou em Jerusalém triunfante! Por isso, motivemos o povo! É hora de cantar Aleluia!

Rito Eucarístico

Canto de Oferendas: é um momento de entrega. Devemos entregar nossos corações, vozes e instrumentos a Deus. Se possível, um canto interligado com o tema do dia.

Santo: o mais importante da Missa. É o maior louvor! Para se ter uma ideia, Hosana significa mil vezes aleluia! É o momento em que os anjos descem do céu para participar da Ceia do Senhor e preparar a Mesa Santa! Deve ser de acordo com o texto do Missal Romano.

Pós-Consagração: é um momento de sublime adoração. Não é um canto obrigatório, portanto o Padre deve ser comunicado antes do início da Missa e autorizar ou não a resposta ao “Eis o Mistério da Fé”.

Se possível é muito bom cantar as respostas da Oração Eucarística, principalmente em festas mais solenes.

Rito da Comunhão

Pai Nosso: há uma enorme diferença quando cantado por toda a comunidade. Quando assim o fazemos, nos tornamos mais unidos, nos sentimos mais filhos. Não é obrigatório.

Abraço de Paz: é o momento de distribuirmos a paz, somente ao que está ao nosso lado. Não é obrigatório.

Cordeiro: deve conter os dizeres do Cordeiros de Deus do Missal Romano. Não é obrigatório o canto e deve ser informado ao Padre se for cantado.C

Canto de Comunhão: é chegado o momento de receber Jesus. A música deve continuar até o último fiel receber Jesus Eucarístico. Depois deve haver silêncio.

Pós-Comunhão: deve ser um canto suave e de reflexão, que pode ser de acordo com o Evangelho do dia. Não é obrigatório o canto e deve ser informado ao Padre se for cantado.

Ritos Finais

Canto Final: é para o povo sair da Igreja com a liturgia na cabeça e no coração. Não precisa ser cantado por todos os fiéis mas deve receber o mesmo tratamento do Ministério da Música.

© Copyright 2019 - Romeu de Almeida. Todos os direitos reservados.